A descoberta do eu

As pessoas estão a tornar-se dependentes de relações. Tanto amorosas, como de amizade. Não conseguem pôr sequer a hipótese de ficarem sozinhas e isso faz com que tantas vezes, se sujeitem a relações que não lhes trazem propriamente bem-estar e em que não são tratadas como deveriam. Nada pode fazer menos sentido do que essa estúpida crença de que não podemos ser felizes sozinhos. Ou de que um período em que não estamos envolvidos numa relação, tem de ser obrigatoriamente doloroso. A resposta para este fenómeno é bastante simples: preguiça crónica. Nós não conhecemos o prazer da nossa própria companhia, porque por e simplesmente nunca a decidimos explorar. Conhecer quem somos é provavelmente das tarefas mais difíceis que existem, mas certamente a mais enriquecedora. A expressão ‘self-awareness’ encaixa na perfeição para descrever este processo. É como uma tomada de consciência feita para dentro e que nos trará o conhecimento necessário à nossa vida. A descoberta dos nossos defeitos, das nossas qualidades e das nossas motivações é o cartão de embarque para toda uma experiência nova. É o passaporte para uma viagem em que o nosso eu, se torna o nosso melhor companheiro. 

2 thoughts on “A descoberta do eu

  1. JD. Silva diz:

    know thyself 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: