Idiossincrático

Esse sabor meio agreste,

do que chega sem chegar.

Um desejo meio difuso,

ainda inconsistente,

nervoso.

Um querer que não se sabe camuflar,

genuinamente pueril,

mas terno.

Tão doce quanto tudo o que aparece sem aviso,

quanto tudo o que nos inquieta, e de repente,

nos deixa entre a trepidez e o desassossego.

Esse sabor do que é novo,

do que ainda não se contaminou,

do que ainda não é palpável.

A desorientação de um lugar desconhecido,

pelo qual já se anseia quando a noite cai.

Esse sabor de querer

sem questionar a lógica.

Mas querer.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: