Category Archives: Uncategorized

Avólice

Ela é o lugar de repouso, deste coração desassossegado que mal me cabe no peito, sempre apertado, meio em desalinho, tão ansioso e imperfeito.

A definição que nunca se conteria em palavras, que se extrapolaria sempre em exaltações de absoluta verdade e de doses esmagadoras de amor. 

O meu forte, o reflexo onde me procuro e onde anseio poder um dia, ver-me refletida. 

As horas infindáveis em que a voz dela me faz vaguear por essa outra Lisboa, em que pela primeira e única vez se apaixonou. E eu passeio por entre lugares de outros tempos com ela pela mão, conhecendo e reconhecendo personagens e momentos de uma história que um dia derramarei num livro. 

E hoje eu sou muito do que ela foi, ousando ser ainda tudo o que ela também poderia ter sido. Hoje também eu a levo, nas minhas infinitas viagens, absorvendo tudo com a minha inesgotável vontade e a sua eterna e pueril curiosidade, que este coração herdou. 

Ela que é minha mãe duas vezes, meu berço, meu ponto de partida e chegada. 

Ainda não fechei a mala e já te levo na saudade, Minha querida. 

Anúncios

Apogístico

Encontrei-te no avesso das palavras. 

Na estranheza dos teus silêncios, 

no fumo de infinitos pensativos cigarros. 

Na melancolia de tantas noites

consumidas de olhos abertos, 

nessa inebriação de um mundo sem verdade. 

Abri a janela desse quarto lúgubre,

levei apenas amor como bagagem 

e instalei ali o meu lado esquerdo. 

Hoje o silêncio já não dói, 

as palavras são redondas e inteiras.

Criaste uma língua nova,

indecifrável a outros ouvidos,

única na definição do que se concebe intergalático.

E agora já quase não me cabes no peito, 

e agora todos os dias são verão. 

E agora da janela, só mar. 

Infinito, imperioso, impenetrável. 

Impulsão 

Talvez o amor seja afinal apenas isso. 

Um alheamento anormal do ser

a dar lugar a um estar em definitivo. 

A busca incessante por um colo,

a que no fechar perpétuo das cortinas,

na incerteza de um lugar sumido,

possamos chamar de casa. 

A serenidade de um silêncio 

que se encerra em duas bocas fechadas 

e que num vagar melífluo,

nos aquece o lado esquerdo. 

A cadência perfeita que se assume

na certeza de um regresso, 

ou na plena assunção de uma única verdade. 

Uma linguagem não verbal

que se anuncia na metamorfose de tantos outros sentidos. 

Esse sabor amentolado e pueril

que chega mágico, cândido,

como o primeiro beijo. 

Sorvedouro 

Talvez a insanidade sirva como manto que nos inebria os sentidos.

Como faca de exoneração de todos os adeus que não dissemos.

Como declaração de óbito a todos os fantasmas do passado.

Ou aquando essas noites brancas, se assuma em canto oposto.

Ampliando dolorosamente tudo o que não foi mas poderia ter sido.

Disco riscado de decibéis colossais,de músicas que se fizeram pessoas.

Viagem por lugares vãos, que por melindre não se riscaram no mapa.

E pudesse o amanhã trazer uma língua sem porquês.

Construída de pontos finais fiéis e ausente de omissões voluntárias, do que se poderia ter dito. 

Grito 

Como se apenas a força do ar,

trouxesse o rompimento dos nervos. 

Uma espécie de erosão,

vinda de um mar revolto,

que só existe aqui dentro. 

Porque é um mar sem costa,

um mar sem descanso, 

sem coração,

um mar inaudível. 

É um cansaço sem razão, 

um esgotamento que aflige as entranhas,

e que se anuncia na perpetuação mecânica

de todas as horas do dia.

E quantas infinitas horas poder ter apenas um dia. 

E quão ensurdecedor pode ser o seu silêncio. 

Insigne

Reconheço-o no estranho resfolegar das manhãs que nascem de noites sem sonhos.

Na preguiça dos corpos cansados e no anseio pelo falecimento dos ponteiros. 

Na tua mão no meu cabelo e nas janelas onde só cabe mar. 

Vejo-o com uma nitidez de espelho, enquanto me esperas com a mesma ânsia do primeiro beijo. 

De cada vez que a saudade se torna constante porque as horas nunca chegam e as noites nunca se eternizam. 

Quando percebo que o amor cabe perfeitamente dentro deste coração agora lúcido. 

É essa afinal, a estranha lucidez, do que se assume indubitável. 

Quérulo

Talvez nos assumamos na mais estranha forma de ser. 

Talvez gritemos pela ânsia de esgotar todos os ses que agrilhoámos no peito.

Nesse lugar onde repousam sem esperança, todos os sonhos. 

Nessa reclusão do que não ousámos viver, nessa esfera onde ecoam todos os medos. 

Na intermitência dos passos, no ar que estancámos nos pulmões e no vazio que persiste melífluo pelas paredes do corpo. 

Talvez deambulemos de olhar vago, nas insónias, e exasperemos pelos lugares que nunca vimos. 

Talvez no fim, tenhamos a força para aniquilar todos os talvez. 

E no espaço em branco, surga uma vontade maior, que esmague o anseio e ilumine o caminho dos que na inconstância da dúvida – saltam. 

Devasso

 Talvez o frio me esconda, 

num anseio triste 

de quem padece de mal anónimo. 

Uma estranha aridez,

de um coração estrangeiro,

feito de língua marciana 

e de mecânica deficiente. 

Um lugar de sobressalto,

intempéries verborrágicas 

e solidão estéril. 

O pensamento entorpecido 

por uma imensidão de palavras

que morrem ainda no estômago. 

E essa intermitente forma de ser,

de quem sonha acima das nuvens 

mas com a pulsação irresoluta, 

implora por não crescer. 

Prematuro

Um fulgor desajeitado,

nuns olhos de cardamomo.

Um querer exacerbado

que não sabe ter forma,

que se assume presunçoso,

mas que não sabe encher palavras em matérias.

Um desejo cego,

escarpado, animal.

A impertinência pelo imediato,

como se o agora fosse um lugar de posse.

A trepidez das divagações,

carregadas de verdades, mesmo que pueris

mas ainda sem madureza.

A respiração sempre anelante,

sempre incerta, sempre canhestra.

O discurso aliterante

de mão dada à demoníaca dança da dúvida.

E esse lugar de eterna fome,

esse ermo asfíxico,

onde se refugia o talvez.

Cupidinoso

Talvez te esgote,

na força das vontades.

No ímpeto desse querer absoluto

que não deixa que me sobres.

Na correria dessas horas

e na luta inglória,

de implorar que não se apressem.

E pudesse eu,

alcançar-te num hiato de tempo.

Numa fuga do pêndulo,

e aprisionar-te nesse lugar

onde os ponteiros seriam estáticos,

e onde te poderia degustar devagar.

Nesse tal lugar,

onde o tempo poderia ser finalmente

uma série ininterrupta e eterna de instantes,

e tu o colo,

e a infinitude das horas vagas.